Noivado secreto, casamento ilegal.

Uma repórter americana viaja até um vilarejo rural no Rajastão com sua intérprete para participar de uma cerimônia de noivado que a ajudará a escrever uma reportagem sobre os costumes matrimoniais daquela região. O noivado é de Nulaja, 5 anos, segunda filha de um agricultor a quem vamos chamar de sr. F. Quando Nulaja atingir a puberdade, mais precisamente a menarca, ela se casará com Hathab, que agora tem 10 anos e vem de uma família respeitada.

Em um quarto dentro da casa do sr. F, as esposas do vilarejo e a mãe de Nulaja a estão preparando para o cerimônia. Nulaja não faz ideia do que está acontecendo, ela brinca, corre e sorri para a câmera da repórter até que sua mãe a pega no colo para dar-lhe banho em uma bacia grande com água morna. A mãe de Nulaja tem apenas 19 anos.

Legalmente, as indianas só podem se casar depois dos dezoito anos, então a cerimônia de noivado é feita em sigilo, e acontecerá somente à meia noite, pois caso um policial não subornável apareça, o sr. F. pode ser preso. – como de fato deveria.

A repórter e sua intérprete estão sentadas conversando no chão de pedra do quarto onde Nulaja toma banho rodeada por quatro outras mulheres que fazem seu trabalho em silêncio. A repórter conversa em inglês sobre o quão abominável é o fato de que Nulaja, ainda tão jovem, estar condicionada ao casamento arranjado pela família. A intérprete diz aquele caso, embora seja horrendo não era dos piores: principalmente na àrea rural da India, é comum que as meninas se casem com noivos cinco ou sete anos mais velhos do que elas, mas em outros lugares como no Afeganistão, ou no Iêmen, por exemplo, Nulaja poderia estar se tornando noiva de um homem de 25 anos, para casar-se com ele quando ela tivesse 13 e ele 33, nesses casos, alguns noivos nem sequer respeitam a gauna, (cerimônia de tranferência física de uma noiva para a família do noivo), e estupram a noiva antes da cerimônia de casamento. Eles fazem isso com a desculpa de que querem “provas” de que estarão se casando com uma virgem, revela a intérprete.

As mulheres que estão banhando a criança olham para a repórter quando ela começa a conversar em outra língua, demonstrando claro desconforto com sua presença naquele lugar. A repórter pergunta para a intérprete com uma voz ainda mais baixa, se alguém, mãe ou irmã, já conversou com Nulaja sobre o fato dela estar se tornando noiva. A intérprete  balança negativamente a cabeça e responde que para encorajar a noiva a não se rebelar contra o casamento conforme ela for crescendo e chegando cada vez mais perto do matrimônio (o que poderia causar uma grande vergonha e desonra para a família), as outras mulheres preferem não dizer nada. Conforme ela for crescendo, continua a intérprete, Nulaja irá ouvir com frequência o termo paraya dhan, que significa “riquesa de outro” e se aplica as filhas que ainda moram com os pais.

Para a repórter e a intérprete é difícil resistir ao desejo de salvar Nulaja. Pegar ela no colo quando ninguém estiver olhando e sair correndo do vilarejo numa tentativa de impedir o noivado a todo custo.

A intérprete e a repórter conseguiram conversar com as mulheres do vilarejo enquanto aguardavam a cerimônia de noivado começar. Segundo uma das mulheres, de aproximadamente 52 anos e que aparentava ser a mais velha daquele lugar, a mãe de Nulaja casou-se aos 11 anos com um homem de 18, logo após a sua menarca, e pouco tempo depois deu à luz com 13 anos. Ela teve hemorragia interna após a consumação do casamento e após o parto, mas não tinha educação nem acesso à informação para se cuidar e essa é uma realidade frequente entre as mulheres daquele vilarejo.

  • Muitas meninas, por casarem-se cedo, também sofrem ruptura dos orgãos internos provocada pela relação sexual e morrem devido a hemorragia, este fato é diminuido entre os maridos, dizem que é uma normalidade e por conta disso não levam essas jovens ao hospital.
  • Quando as meninas vão ao hospital em trabalho de parto (se forem à um hospital), as enfermeiras precisam explicar à elas o que está acontecendo. Com 13 anos elas sabem que é um bebê? que uma criança está saindo delas? Nem todas.
  • O Islã não permite relações conjugais antes que a menina esteja fisicamente pronta, mas o Alcorão Sagrado não menciona nenhuma restrição de idade. E sabemos como a interpretação deste livro é subjetiva, varia de pessoa para pessoa.

– Rejane Leopoldino

3 comentários em “Noivado secreto, casamento ilegal.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s